terça-feira, 2 de março de 2010

Aprendi que minhas delicadezas nem sempre são suficientes para despertar a suavidade alheia, e mesmo assim insisto. (Caio F. Abreu)

Um comentário:

Adina Bezerra disse...

Este pensamento de Caio F. de Abreu é singelamente estrutural, construtivo à formação do caráter humano.