terça-feira, 14 de julho de 2009

Da paz de Julho

Não se pode deixar de apontar o excesso do sossego que jorra sem cessar, contrapondo-se à lembrança de imagens que remetem à dureza do cotidiano.
.
Aqui >>eu sou a flecha.O alvo é estar longe da tagarelice inútil.
.
***
.
P.S > Saudades de vcs >>queridos leitores.
.

5 comentários:

Anônimo disse...

Ficar longe da tagarelice política.Das tolices do nosso prefeito , das intrigas e golpes baixos petistas querendo
trucidar a inteligência dos eleitores de nossa terra, caro poeta.
Ficar longe, muito longe, de ódios recíprocos alimentados pela burrice desvairada de uma "militância" com fome de cargos.
Ficar longe, caro poeta,e se possível sem data para voltar para esse mundo de guerra de muitos loucos contra poucos lúcidos.
Abraçosde Eládio Ferreira.

Anônimo disse...

Idem Idem Idem

Carmem Borges

Anônimo disse...

Você escreve por nós.Amém.

Elvira Mattos

Adina Bezerra disse...

Sim, "longe das tagarelices inúteis"... uma época, fiz um jejum de palavras e de fato constatei o quanto gastamos palavras com falas inúteis...
Ah o sossego do som do silêncio!

Anônimo disse...

Tu dizes verdades.Com elegância.É por isso que gosto de teu blog.

Beijos mil, querido Ronaldo.

Lilian Menezes