sexta-feira, 17 de julho de 2009

Nuas demais


Potpourri-so tropical

.Tempo: sem sombrinhas e guarda-chuvas...

Quando perguntamos a alguém a hora, ninguém tem a mínima idéia.
Em julho > temos todos os motivos do mundo para querer todos os segundos livres do relógio.
.
O tempo aqui é sujeito a fúrias demolidoras do cotidiano e surtos de escandalosas ternuras, ambas com exageros.Como se a vida fosse o território de caras disparando sorrisos.
.
O vento desfralda a bandeira da liberdade.
(Daí a impressão de que as pessoas estão nuas demais: sem os vestidos e sem as gravatas da hipocrisia.)
.
Amor & Vida de mãos dadas. Todos se atiram em onda sensual antes da última lua de julho.
Uma onda sensual capaz de surfar no mais recatado pensamento.É a onda que perdoa todos os "pecados" dos santos veranistas.
.
( Principalmente o "pecado" (?) de apaixonar-se de 3 em 3 chopinhos por todos os biquínis.)
.
O desejo grita no plural.
Homens e mulheres desfilam todas as razões para escancarar paixões.
.
Julho é uma bofetada na cara do tédio.
.
Na praia >> os poetas escrevem com os olhos...
Aos olhos dos bardos parece fácil,
( podendo escolher à vontade a melhor inspiração), começar o poema pelas pernas bronzeadas ou por uma mulher sozinha pisando nos seus versos.
.
Aqui se encontra o direito de vasculhar as gavetas do corpo feminino e roubar um olhar íntimo e de esfregar as mãos sobre as coxas da poesia...
(Centenas de vezes, com ou sem pretexto. Sem solenes textos)
.
Na praia não é tão difícil descobrir uma mulher de vinte, trinta ou de sessenta anos. Porque, a cada biquíni, olha-se uma dessas idades. E tudo isso provocava o berro jovem e o uivo de um lobo velho.No inferno dos homens.
.
No meio disso tudo: a mulher sem idade :- passa- : como se flutuasse em vez de andar...
.
Os beijos são ampliados até o tamanho desejável. Vendo-os: pode-se contar cada cabelo arrepiado.(Como pontos de exclamações.) E eles podem dar peruca ao diabo.
.
Casais desaparecem pelas areias, como se tivessem deixado de existir...À frente, o abismo?
.
As mãos e pernas estão sempre escrevendo encontros no ar, os olhos sublinham palavras, as bocas molham sílabas. (O que as mulheres não dizem >> é ouvido pelo sol.)
.
Para os moleques >(eles me confessaram)> a praia inspira uma olimpíada de masturbações. Por que não?
.
Próximo do mar, o destino é pescar.
Ah, se todos pescassem um cardume de morenas e louras!
.
(RF)
.

13 comentários:

Alzira disse...

Eu classifico literalmente de: "Poesia em T*" ,ou ainda... "Um T* de Poema" rsss


*Tesão

Alzira disse...

Eu classifico literalmente de: "Poesia em T*" ,ou ainda... "Um T* de Poema" rsss


*Tesão

JéssicaN. disse...

Ótimo isso

adoro julho...adoro praia...adoro as pessoas sorrindo, bronzeadas, vermelhas, queimadas
ahaha
julho é muito bom
Pena que só existe um

ehehe

beeeijos

Anônimo disse...

Tu escreves o julho que a raça bronzeada sabe viver.Maravilhoso texto.

Fernando Leite

Anônimo disse...

Você escreve bem.Com humor e com poesia.Fiquei encantada com o que li.Beijos,lindo poeta.

Vanja Orandi

Anônimo disse...

Show de bola,poeta.

Téo

Wanda Monteiro disse...

JULHO É CARNAVAL NAS PRAIAS DO PARÁ..É QUANDO A CARNE TEM O SEU AVAL PRA SER SÓ CARNE...É QUANDO OS PARAENSES FAZEM UMA BANANA PARA AS CONVENÇÕES CRONOLÓGICAS DO TEMPO..É QUANDO O CORAÇÃO DO POETA RONALDO FRANCO BATE ..CADA VEZ MAIS INCONSCIENTE!.. "E AQUELES QUE ADOECEM DE PECADO...ADVIRTO-LHES!..QUE FIQUEM..CADA VEZ MAIS LONGE DE MIM!..
BESOS POETA!

Anônimo disse...

Peixe bom.

Téo

O mar me encanta completamente... disse...

Passei para conhecer
teu cantinho.
É lindo e aconchegante.
Tua poesia encanta.
Parabéns.

Beijinho

Glória Salles

Anônimo disse...

Poeta Ronaldo Franco,
você é um excelente poeta.E encanta o universo feminino.
Você é o charme e continua bonito.Beijos de Denise
Castelo.
(Fomos colegas no Colégio Moderno)
Lembra de mim?

Anônimo disse...

Lendo o verão em suas palavras,lindo poeta, dá uma vontade imensa de deixar o trabalho e partir para praia.(risos)

Beijos de Daniela Rezende (sua amiga de Recife)

Anônimo disse...

Você escreveu a síntese do Verão.Com humor.Poesia.Gostei muito.

Ana Cristina Góes

Anônimo disse...

Uma delícia o seu texto.

Joana Carneiro