domingo, 21 de setembro de 2008

Poeta Ruy Paranatinga Barata

Esse Ruy é minha rua
( Ronaldo Franco )
.

O Paranatinga
inesperadamente fechou abril
.
Rapidamente
abriu-se o rum do vazio
.
O rio sabe o rumo
do boto boêmio
.
A boemia rema
saudade do poeta inexaurível
.
O argonauta de bares
aporta na rima extrema
.
Pelos ares:
um pixé de solidão na cidade
.
Nel mezzo del camim
um Ruy sem fim
pisa nos calos da lua
.
Esse Ruy sem endereço
é minha rua...


****


9 comentários:

Marisa disse...

Lindo poema, Poeta Ron! Ruy, pisando os calos da lua, deve estar sorrindo feliz com a homenagem.
Abraços,
Marisa.

Anônimo disse...

Quando digo que tu és o poeta que
sabes dizer tudo, com um mínimo de palavras,estou dizendo que tua poesia me toca com a tua inteligência.

Beijos da tua fã (desde menina),

Denise Maria Ferro

nega fulô disse...

Fico imaginando o Ruy Barata numa mesa de bar, mais precisamente o bar do parque, contigo. Imaginou? Pois é, eu também. Esse Ruy é minha rua é o máximo! É a tua cara, e acho que é a cara dele também.
Lindas palavras, lindo poema, lindos poetas!
bjks em ti poetinha,
Nega

Anônimo disse...

Teu poema é uma paisagem musical do maior poeta paraense,o Ruy Barata.
O Ruy se transmuta em imagens
infinitas.Sem excesso.Na manipulação estratégica dos teus versos.

Vicente.

Anônimo disse...

Que lembrança boa.

Eloá

oswaldo reis junior disse...

Tio Ronaldo, que belo poema!!!
Saudades tuas.
beijos,
Junior

ronaldo franco ( RF) disse...

Caro sobrinho,Osvaldo Reis:

- A cada dia a saudade repõe rostos familiares.
Vc é um rosto da amizade inesquecível.

Abraços.

marcus vinicius disse...

belissima homenagem ao encantado e ao povo paraora, parabens!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Gostaria de ter acesso ao poema canção do poeta perseguido pela polícia. Se alguém tiver e puder enviar para simon_reis2003@yahoo.com.br