sexta-feira, 25 de abril de 2008

à paz, à liberdade, à sexta, ao ócio

meus pés desconhecem dois degraus essenciais para a reflexão sobre o viver-vivência:

[1.] não subi, fisicamente, ao mais alto para ver - do breu cósmico - o azul da Terra que Gagarin viu e [2.] não desci ao mais baixo do Planeta, a loucura e maldade humanas resumidas na guerra: não fui ao Vietnam. há em mim, contudo e por vezes, a sensação de atravessar intermináveis arrozais vietnamitas verdes,
vivos, silenciosos, reverentes e entregues, enfim, à paz,
à liberdade da autodeterminação dos povos.
pelo menos

josémariaLealpaes

ps. à humanidade que ainda existe em você...

2 comentários:

José Carneiro disse...

Oi Ronaldo: Não quero repetir que o teu blog é uma vitrine cultural, para usar uma imagem bem batida. Espero que não percas nunca o pique para estar sempre rearrumando essa nossa vitrine. E o JMLP é sempre uma boa inserção, com seus libelos em forma de poesia.
Grande abraço

Anônimo disse...

Excelente texto.

No seu blog,poeta Franco,encontramos gente que escreve bem.


Altair Moraes