quarta-feira, 14 de maio de 2008

Bar do Parque

Sem portas
não fecha
o concerto de gargalhadas
nem cala
a liberdade
.
Não algema
mãos delicadas
nem tranca
a escandalosa saudade
.
Sem janelas...
porque o adeus na noite
é obsceno
em desamparados olhares
.
O teto
são cabeças distantes
e o cio de estrelas
da terra
.
O chão:
- a existência
do céu inventado
e o inferno do rim
(no mijo das palavras)
.
É assim o bar
do par que exibe
as bocas naufragadas
entre copos e garrafas
(sobre o lixo da escuridão)
- como um outdoor

do tédio! -
.
(...Esse par que
no barco bêbedo
dentro do mar invisível
quebra-se
nas calçadas do sol...)
.
O bar não fecha a poesia:
não tem portas a noite
nem janelas o dia
.
O bar é par do impossível
que amanhece ímpar
.
***
(RF)
.

Um comentário:

serginho cunha disse...

franco poeta universal
branco ronaldo regional
homem caboclo elegante
pra todos os gostos
e sabores do meu pará...
franco ronaldo branco poeta
de letras e mensagens paidéguas...

égua do blog necessário...