sexta-feira, 9 de maio de 2008

Mãe

Mãe ( o ilimitado amor )




Quem disse alguma vez: até aqui a sede, até aqui a água ?

Quem disse alguma vez: até aqui o ar, até aqui o fogo ?

Quem disse alguma vez : até aqui o homem, até aqui não ?

(Juan Gelman)

Qual filho dirá: até aqui a mãe...até aqui não ???

(RF)

*****
.

15 comentários:

Marcia Yamada disse...

Qual mãe dirá até aqui o filho... até aqui não? Até aqui amor, até aqui não? Ao recebermos as bençãos de ser mãe descobrimos o amor sem limites! Eu mãe agradeço às suas letras Ronaldo! Um beijo

Maria Adad. disse...

Ronaldo,

Parabéns pela linda homenagem as mães,de profunda realidade
e sensibilidade,verdadeiramente indiscutível o "amor materno..."!
Um fim de semana repleto de amor.

Bjuxs.

Cintia Thome disse...

Leveza...Até aqui não...eternidade...entreguei ao Universo...
www.olhosdefolhacintiathome.blogspot.com

LULUZINHA FELIZ disse...

Poetinha Camarada e amado lindooooooooo!Adorei a homenagem "AS MÃES"...Mais com imensa pena digo-te muitos filhos dizem:Até aqui não...É triste mais é a mais pura verdade,e sofro do fundo do meu Âmago...Tu'alma é linda!Beijinhos no teu coração e obrigado por existires...Tu és "IMPAR"!

Anônimo disse...

Mães são imortais! Quem algum dia conseguiria imaginar que sua mãe morreria? Nunca, não a nossa, não acreditamos nisso, até que um dia ela fica encantada e brilhando aos olhos dos frutos tão amados, cuidados e valiosos que a farão viver de formas artísticas, inteligentes, criativas, humanas, compassivas, expressando o amor que transborda e, então, através desses frutos e frutos dos frutos, seu encantamento brilhante e amor incomparável se eterniza, de geração em geração.

Beijos, Filho exemplar‼

Benny Franklin disse...

Até aqui sim!
Até aqui o amor venceu,
o amor de mãe.

Ótima postagem, folgado poeta.

Abçs,

Benny Franklin

Anônimo disse...

Lindoooooooooooooooooo.

Fiquei emocionada,meu querido Poeta.


Heliana Martins

Anna Ciber Red disse...

Prezado poeta,

Fiquei emocionada logo que entrei em teu blog
sou mãe e me vi com meu filho nos braços
perplexa e indignada
até quando é vida?

Até quando vamos permitir ou deixar-nos anestesiar pelo sofrimento do Outro????

Até quando vamos enfeitar o mundo com ilusórias nuances cor de rosa enquanto nossos irmãos, escondidos dos holofotes da mídia espetacular, sofrem?????

Obrigada pela incitação, também poética, à reflexão,
fico até constrangida, diante de tua arte, de enviar-te meus poemitchos,
carregarei-me de coragem.

Ana Perissé

artness disse...

epa, o anonimo sem assinatura em baixo sou eu, eskeci de assinar

Sonia Dias Freitas disse...

Muito profunda, me emocionei, parabens amigo, bjus


Sonia Dias Freitas

Anônimo disse...

Talvez o que mais admiro em seu blog seja sua preocupação em ser oculto.
Mas, suas intervenções são carinhos impensáveis.Poesia que acaricia.
Sou sua fã há muito tempo,poeta Ronaldo.

Beijos de Darlene França.
(Belém-PA)

Bel Fares disse...

Escrevi um artigo - "Todo mundo tem mãe" - em que estudo o mundo das mães míticas marajoaras. Nele apresento algumas mães do mundo sobrenatural: mães d'água, mães dos rios, mães dos lagos, que penalizam os que pescam o desnecessário, ou bolem com a água; curupiras, mães das matas, mães de fogo, boitatás, perseguem os destruidores das florestas e etc. Cada mãe protege a sua cria. Bela homenagem a tua, Ronaldo.

Anônimo disse...

Como Mãe me senti lindamente homenageada com tuas singelas e verdadeiras palavras em forma de poesia
Obrigada amigo,por reconhecer esse amor sem limites e que é para sempre
Um grande abraço meu Rei, da amiga
Liz/Beth

José Carneiro disse...

Poetinha:
Sempre com a sensibilidade aflorando, à flor da pele. De sensibilidade em sensibilidade, faz-se a homenagem, como diria Carlos Drummond. E o blog, cada vez mais sensivel, como se impõe. Como faz um poeta.
Grande abraço

maria tereza belumat disse...

Ronaldo,

Emocionantes as palavras que você dedicou a nós, que temos o privilégio de sermos mães.
Só mesmo pessoas sensíveis como você, para nos tocar de maneira assim profunda.
Obrigada.
Beijo.
Maria Tereza Belumat