sábado, 24 de abril de 2010




O instante da escultura
feita não com as mãos
mas com os olhos...
.
(RF)
.
***

3 comentários:

Odara disse...

Foi transmissão de pensamento. Eu sabia que ias pirar pra essa foto! :)

Anônimo disse...

Excelente definição poética, Ronaldo.

Graça Campos.

abdias pinheiro disse...

Sei poeta. Todas as minhas nuances são sabedoras. Encanta-me o nascer do dia. Atristeza-me o crepúscular céu pintado de dor.
Sei poeta. Todas as ternurar experiênciais fugiram-me entre as rugar. Apagaram o passado!