terça-feira, 3 de novembro de 2009

Na chuva de Novembro

Agora, aqui a cidade é mais água. Sem cor, melancólica, distraída.
.
No guarda-chuva que ela carregava escondia-se o rosto da interrogação do qual não se tirava uma palavra, mas no seu caso pelo que se vê (na foto)a chuva se aliava ao seu segredo.
.
(Que segredo ela teria, afinal, para conseguir a confiança da chuva da tarde ?)
.
***

4 comentários:

Multiolhares disse...

Talvez o segredo da vida dorida,das esperanças destruídas
beijo

Anônimo disse...

Linda moça ,poeta.

Téo

Iana disse...

Cheguei aqui pelo google, procurando sobre o Prêmio AP de Literatura, e gostei do blog. Vou adicionar nos meus favoritos.

Você sabe me dizer se prorrogaram as inscrições? Fiquei sabendo a pouco tempo.

iana.

Vanessa Gambôa disse...

Linda foto!