quarta-feira, 6 de maio de 2009

Na beira do mar

deves andar assim porque
o amor navega
como peixe de lembranças
nas ondas do teu corpo
para ancorar
onde termina o teu começo
de águas sozinhas...
.
(RF)
.
***

2 comentários:

Alzira disse...

Sublime!!!

Angela Ladeiro disse...

Um poema que nos enche!