quinta-feira, 6 de março de 2008

Belém, a eterna musa. ( Luciane Fiuza de Mello)

Belém, a eterna Musa (Por Luciane Fiuza de Mello)

(Músicos e poetas cantam Belém, mas com o olhar crítico em relação à mídia, patrocinadores e produtores culturais. A produção artística da cidade de encantos amazônicos amadurece inspirada em seus atributos).
.
“Nem bela nem formosa, cabocla desajeitada e pequenina, simples como a beleza de uma rosa, mundana que não pertence a ninguém...”. O cantor e compositor Alcyr Guimarães revela na canção Janela de Belém sua relação de amor, desafeto, coincidências e brigas com a cidade.
.
O artista repete em seus shows que tem duas namoradas: sua esposa e Belém. Mas a cidade é a eterna traidora. Alcyr faz referência a Belém em seus 19 discos gravados. Sambas-enredos, boleros, valsas e toadas compõem seu histórico musical, sendo que, há oito anos, as cantorias ganharam destaque, influência confessa dos parceiros musicais Sivuca e Vital Lima.
.
A música Suburbana do Norte é um exemplo deste trabalho e faz parte do seu novo CD, Minha Alma Popular.
.
Outro que tem um caso antigo com a cidade é o poeta João de Jesus Paes Loureiro, para quem cada vez mais Belém é revelada como objeto de desejo de criação na música, fotografia, dança e literatura.
.
Ele revela que foi a substância feminina de Belém que despertou sua vocação poética. “Belém é uma fêmea completa: amante e mãe”, resume o inspirado escritor.
.
Quem também destaca a cidade como um referencial é o músico Paulo André Barata. Apesar da composição melódica estar mais presente em seu trabalho, o artista tem muitas letras que expressam sua paixão pela capital paraense. Banho de Cheiro, de sua autoria, é uma dupla homenagem: para Belém e para a escritora Eneida de Moraes.
.
O popular Pinduca é mais um que tem muitas composições homenageando a cidade. O músico, demonstrando pouco ciúme, acha que Belém está cada vez mais bonita: “Agora já dá para recomendar aos amigos”, diz ele, que faz referência ao crescimento de Belém na música Nova Belém, Novo Pará, de sua autoria - que integra o CD Uma Festa com Pinduca, volume 31.
.
Mas o número de admiradores da cidade não pára de aumentar.
.
Artista da nova geração, Almirzinho Gabriel é mais um namorado, e dos mais apaixonados, pela eterna musa. “Nós vivemos na parte mais íntima do planeta Terra, nossa região. Se a Terra fosse uma mulher, corresponderia às suas partes pudentas e Belém é a parte mais elétrica”, diz o irreverente artista.
Almirzinho destaca em Naza, com bom-humor, a religiosidade do povo paraense.
.
Essa bela mulher, fonte inesgotável de inspiração para os artistas, tem sofrido com o tratamento que está recebendo de muitos. Belém doa-se totalmente aos seus amantes, só que muitas vezes é explorada em seus encantos e depois abandonada pelos falsos namorados.
.
“Lá fora, críticos e literatura retratam a dimensão da música produzida aqui, apesar de ainda não existir uma produção em massa”. A afirmação é de Paulo André Barata, que credita o fato à falta da valorização local dos artistas, no momento em que “mecenas” continuam a investir alto no que vem de fora.
.
“Somos receptivos com conceitos e padrões importados, mas nosso mercado é inexpressivo, ainda estamos procurando um jeito de mobilizar o interesse de todos que fazem girar a roda do mercado de discos e shows”, opina Almirzinho Gabriel. Para ele, existe um movimento estético com propostas interessantes na cidade.
.
Paes Loureiro fala dessa efervescência cultural de Belém. “Estamos participando ou assistindo ao nascimento de um novo ciclo artístico-cultural amazônico a partir de Belém, que está na liderança deste processo”.
.
Paulo André ressalta que os compositores estão preocupados em traçar um mapa do ritmo do Pará, mas “não existe música paraense e sim músicos paraenses”. Foi Assim, composição de Paulo André em parceria com seu pai, Rui Barata, é sucesso dentro e fora do Brasil, na voz de artistas como Fafá de Belém.
.
Já Pinduca, famoso por tornar conhecido o carimbó para o mundo, diz que o sucesso que tem fora de Belém deve-se ao fato de estar sempre inovando e modernizando o seu trabalho. “Acho que é por isso que estou no mercado até hoje”. O profissionalismo também é visível em sua equipe, que se prepara para uma turnê mundial com o Pinduca e Banda Brasil.
.
Tanto nos artistas de longa estrada como nos novos, é visível essa busca pela divulgação das coisas da terra, mas com a preocupação em universalizar os temas.
.
“Quando falo da Europa em Postais, digo que a minha Europa é aqui. Quando falo em subúrbios do Brasil, digo que minha suburbana maior é Belém”, explica Alcyr Guimarães, lembrando que o artista paraense precisa ser mais profissional .
.....
.
A maioria das rádios paraenses não dá espaço para a música aqui produzida. “Se eu posso ouvir na rádio aquela música dos carnavais fora de época, porque eu não posso ouvir uma lambada paraense? Se eu posso ouvir um bolero do Rio de Janeiro, porque eu não posso ouvir um bolero paraense?”, questiona Alcyr Guimarães.
.
No caso da literatura, Paes Loureiro acha que a publicação de poemas, mesmo não sendo ampla, está sendo bem divulgada e valorizada.
O livro "Para Ler Como Quem Anda nas Ruas "- com versão em CD, que conta com a participação especial do músico Salomão Habib-, segundo Jesus, é “um poético caminhar devaneante pela cidade”.
A obra do poeta "Artesão das Águas" é outra declaração à cidade, especialmente às margens do Rio Guamá, onde se localiza a Universidade Federal do Pará (UFPA).
.
Imortalizada em músicas como Esse Rio É Minha Rua, de Paulo e Rui Barata, Belém continua amada na voz de seus artistas.
Sinhá Pureza, do mestre Pinduca, é a cara dessa cidade faceira.
.
Da produção de Pedrinho Cavalero e Nilson Chaves, inúmeras são as músicas que homenageiam a bela namorada.
.
O premiado livro Altar em Chamas, de Paes Loureiro é outro bom exemplo.
.
É um amor tão grande, e de tantos, que supera qualquer tipo de ciúme.
.
Cantador e contador de causos, Alcyr Guimarães lembra que Rui Barata foi generoso com ele ao falar de sua “relação de lealdade e sinceridade com Belém”. Essa ligação da eterna musa com seus namorados está sintetizada na canção Janela, de Alcyr, considerada um hino desde o tempo em o músico fazia parte do grupo Manga Verde: “Olê, Olá, Belém, velha namorada que me trai também...”
.
Canção da Cidade das Mangueiras (João de Jesus Paes Loureiro)
.
Ai! Cidade das Mangueiras Quem te viu e não te ama? A lua cobre de rendas Teu rosto de verde rama. A noite deita nos becos E faz do luar sua cama.
Ai! Mangueiras da cidade Que o sol esculpiu na sombra,Por vós o poeta implora Por vós a poesia clama. Ai! Cidade das Mangueiras Quem te viu e não te ama?
Ai! Cidade das Mangueiras Quem te viu e não te ama? Tua leve melancolia Nas chuvas engaiolada. Oh! Barca de verdes velas No Ver-o-Peso aportada.
.
Banho de Cheiro (Paulo André Barata)
.
Bairro do Morumbi, Bruma do Paraná, Brisa do Pirahy, Barca de Paquetá, Quero voltar pra Belém Pra Belém do Pará.

Lá sou amigo do rei, Lá sou madeira de lei, Lá sou o sol, sou o vento, Sou a barra do tempo Em Belém do Pará. Lá, sou manhã dia novo,A canção do meu povo Sou Belém do Pará.

Lá minhas plumas deixei, Lá entre peixes morei, Lá eu fui limo d’areia Eu fui boto e sereia, Em Belém do Pará.Lá só me calço de relva,Só me visto de selva.
.

Suburbana do Norte (Alcyr Guimarães)

Suburbana do norte, flor no açaizal Muitos te desejam sorte, poucos te querem mal Das pedras da Pedreira, no rancho do Umarizal Nas docas e ribanceiras dancei carnaval Suburbana do norte, flor no açaizal Muitos te desejam sorte, poucos te querem mal O nosso ver-o-pêso, neste grande arraial Nas ribanceiras das Docas dancei carnaval Suburbana do norte, flor no açaizal Muitos te desejam sorte, poucos te querem mal Velha cidade velha, no verde do aningal E esse jeito de subúrbio minha capital.


.

Um comentário:

Luciane Fiuza disse...

Olha só, me achei por aqui! Obrigada, ficou bem melhor do que o original, com a montagem das belas imagens da musa.

O texto é antigo, mas atual, felizmente e infelizmente...
Espero que Belém continue tão amada por vocês.

Grande beijo, Ron Ron! E parabéns pelo blog, não o conhecia, vou fazer um link dele no meu.

Lu.