sábado, 22 de março de 2008

Cabanagem


Quantas mortes
começam uma cidade ?
.
Quanto à Cabanagem
foram os lusos
ou os cafusos
em confusão nos espelhos ?
.
Quantas aldeias
e arcos
deslembrados no pó ?
.
Quantas sombras
tremeram
no ribombar dos canhões ?
.
Quantas flechas
sopraram
lamparinas e cabanas ?
.
Quantas noites
acenderam
claro medo ?
.
(RF)

Um comentário:

Walnélia disse...

Ronaldo,teu Blog é maravilhoso!
Escolho este poema belo para te agradecer o Convite.
Abraços com Poesia.

Walnélia Pederneiras