terça-feira, 11 de março de 2008

O corpo do Rio - Dand M.

O poema escrito
no corpo do rio:
lânguido
benedito
vago de continentes
.
Um peixe
na linha do destino...
.
Falanges, lágrimas
que se dobram
sílabas como traquéias
(uma canoa canoa)
para a margem, para o índio, para mim

*Do livro:Flores de Campina
Belém Pará.

2 comentários:

raul franco disse...

how o blog. fervendo de idéias e lirismo. uma boa pedida para se ler com o coração.

abraços,

Raul Franco

Abdias disse...

Águas Virgens



Uivos silenciosos encantam a floresta
Relva mundiando o rio de encantos
Furioso rio em águas virgens
Rompendo barrancos
Rasgando raízes
respingando
Sêmem
Povoando O Mundo.

Abdias Pinheiro