sábado, 18 de outubro de 2008

Página de água

Foto:João Barros

O silêncio penteia a praia
O vento separa as vogais da canoa
.
A canoa é uma página de água
.
O mar as ostras os peixes:
- o sebo fisgado -
.
O sol queima as palavras
com olhos de sal
.
E a manhã escancara o árido alfabeto:
- a biblioteca dos pescadores...
.
(RF)
.
***

8 comentários:

Anônimo disse...

Tu sabes introduzir palavras com novos significados.E mostras o que há por trás de uma inocente paisagem.

Beijos de Telma Barroso ( S,Paulo)

Adina Bezerra disse...

Esta viagem poética, sobressai teus profundos mergulhos nos rios, quando em submersão, tu nos abraças molhado com a encantadora poesia.

Voz disse...

Que és inspiração para deixar o poeta assim com tanta intimidade com as palavras?

Que intimadade é essa com o poeta que deixa-o só sentimentos, significantes e significados?

PARABÉNS!!!! Luciana Persi

Anônimo disse...

Os pescadores do nosso Brasil...

Perfeito!

Waldir Andrade.

Anônimo disse...

Amo a sua poesia.

Ivete Figueiras.(São Paulo)

(Sua amiga do orkut)

Anônimo disse...

Lindo e verdadeiro poema.

Irene Miranda.(RJ)

Sou sua amiga do orkut.

Anônimo disse...

E vc se diz Poetinha.Tu raciocinas
teus versos,rapaz.Trabalhas as palavras.Tu és poeta,maiúsculo Poeta.


Fábio Rocha.

Anônimo disse...

Além de seu irresistível charme a sua poesia também arrepia pensamentos.

Beijos, querido Poetinha.

Ana Maria Albuquerque.(Unama)